Menina desviando o olhar

Transferências Motta123 Papel de parede : Preto, mulheres, modelo, retrato, janela, Desviando o olhar, cabelo longo, bunda, bronzeada, cabelo preto, espelho, moda ... menina mata parte de trás desviando o olhar criança. Public Domain. Greyerbaby / 512 imagens Caf é Seguir ... OLHAR PARA CIMA, À DIREITA: de acordo com o especialista em linguagem corporal Paulo Sergio de Camargo, se a pessoa é destra, esse olhar significa que ela está trabalhando com a imaginação.Ou seja, é possível que esteja formulando uma mentira ou pensando em algo que exija criatividade. “Ela pode estar imaginando uma cena que não presenciou realmente, mas dentro de um fato realmente ... Fite-a de leve, desviando e retomando o olhar. Isso mostrará claramente a um parceiro em potencial que você tem interesse e quer a atenção dele. 3. Observe a pessoa de canto de olho. ... Assim, fique atento ao que diz o seu rosto quando você estiver puxando assunto com uma mulher, se ela ficar desviando o olhar, der uma “bufadinha”, responder as suas perguntas com um simples “aham”, são gestos que demonstram o seu total desinteresse, ainda mais se na hora da abordagem ela der um passo para trás. 14- Ele desvia o olhar. Pode acontecer também, no momento em que você bater o olhar no cara, ele tentar desviar o olhar do seu e quando você desviar ele voltar a te olhar. Ele está interessado amiga. 15- Ele presta atenção na sua aparência. Uma simples mudança que você faz, esse homem nota. Seja na roupa ou seja na maquiagem. Transferências Abandoned Papel de parede : mulheres, Menina de fantasia, olhos vermelhos, Desviando o olhar, vestir, Mangas destacadas, Katana, arma, samurai ... O que isto vai fazer por você é o que lhe permite manter o seu tique nervoso de ficar olhando para o chão ou desviando o olhar de alguém. É algo muito difícil para um introvertido de quebrar, e você pode redirecioná-lo em um pouco de uma sensação óptica. Baixe estas Foto grátis sobre Menina morena desviando o olhar e fumando, e descubra mais de 5 Milhão de fotos de arquivo profissionais no Freepik Baixe estas Foto grátis sobre Contemplando a menina segurando ukulele desviando o olhar em casa, e descubra mais de 5 Milhão de fotos de arquivo profissionais no Freepik

Tentativa de amor falha kk

2020.06.21 04:21 claudia_aaraia Tentativa de amor falha kk

Olá Lubisxos, papelões, gatas, fundo verde, e turma que estar a ver, eis aqui minha história longa e dramática de amores. Título: exposto. Estava eu em pleno 9° ano(8ª serie) com meus 14 aninhos de pura burrice e incompetência. Havia um menino que fazia academia comigo, seu apelido entre nós era caralho (sobrenome parecido com isso). Caralho estudava no 3° ano do EM, e namorava uma menina do 2°. Um belo dia estava deitado em minha fofa e macia cama rodando no Facebook e recebo a notificação de amizade dele, e logo penso: “hummmm....... porque não mandar um oi, ou acenar”, e foi isso que eu fiz, no mensager, acenei para ele, e recebi um 👍 em troca. A conversa poderia ter parado por aí, mas, NÃO, eu tinha que continuar, e trocamos apenas algumas mensagens onde passei muita vergonha como por exemplo disse a ele que era um excluído melhorado na escola. Dia seguinte na escola, estava eu desviando dele para não nos encontrarmos, e deu certo, porém toda a escola ficou sabendo disso, inclusive a namorada dele, que ficava me encarando no corredor, com um olhar de queimar alma. Infelizmente não foi o que aconteceu no outro dia, quando ele é o grupinho estavam em seu lugar de sempre, e eu tinha acabado de sair da prova, pude ouvir eles gritando meu nome é vindo em minha direção. Não pensei duas vezes em sair correndo. E por sorte consegui me esconder em uma das salas e ninguém me viu. Só que a coisa não acaba aí. Certo dia almocei na escola, e sentei com umas amigas em um banco na minha quadra, onde os meninos do 3° ficavam jogando basquete, e nos, só assistíamos. Só que minha amiga estava levemente bêbada, e um dos amigos dela do buffet (grupo de meninos que ele participava(chama-se buffet pois no restaurante um dia todos estavam lá e essa mesma amiga disse: “humm..... acho que vou me servir do buffet que acabou de chegar”, e acabou ficando) passo em frente com um de nossos professores, e ela diz ao nosso professor, o caralho está aí (disse o nome real) está sim pera aí, neste instante pensei:” fudeu!!!” Peguei minha coisas e sai correndo por uma portinha que tinha, fui até uma sala e recebi um áudio do amigo dela, dizendo que a namorada dele estava muito puta comigo, com ódio guardado pra mim. Mas a coisa ainda não acaba aí, no último dia de aula, eu ia pra escola a pé pq morava a 2 quadras da escola, MAS, tinha chovido na noite anterior, e para chegar até a escola teria que passar por uma pequena praça, que estava lotada de barro, eu idiota pensei:” pq não pular né”, a resposta é simples e clara, cai de bunda no barro, na frente da rua mais movimentada da cidade, eu me levantei pleno e pensei:” não deve estar tão sujo né”, erro meu, parecia que um vulcão de merda entrou em erupção na minha calça, corri pro banheiro chegando na escola e, liguei pra minha amiga ir me encontrar lá, e pro meu pai me levar uma roupa limpa. Me troquei, e quando saio do banheiro que ficava no pátio, vejo na janela do 2° andar, 350 mil pessoas do 3°, inclusive ele, tirando fotos e me gravando, deve de ter figurinhas minha rodando até hoje. Eu tenho medo da namorada dele até hoje com ela, mas vida que segue. É isso lubixco. >3
submitted by claudia_aaraia to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 04:12 claudia_aaraia Uma tentativa falha

Olá Lubisxos, papelões, gatas, fundo verde, e turma que estar a ver, eis aqui minha história longa e dramática de amor ou seja mico. Título: mico no amor. Estava eu em pleno 9° ano(8ª serie) com meus 14 aninhos de pura burrice e incompetência. Havia um menino que fazia academia comigo, seu apelido entre nós era caralho (sobrenome parecido com isso). Caralho estudava no 3° ano do EM, e namorava uma menina do 2°. Um belo dia estava deitado em minha fofa e macia cama rodando no Facebook e recebo a notificação de amizade dele, e logo penso: “hummmm....... porque não mandar um oi, ou acenar”, e foi isso que eu fiz, no mensager, acenei para ele, e recebi um 👍 em troca. A conversa poderia ter parado por aí, mas, NÃO, eu tinha que continuar, e trocamos apenas algumas mensagens onde passei muita vergonha como por exemplo disse a ele que era um excluído melhorado na escola. Dia seguinte na escola, estava eu desviando dele para não nos encontrarmos, e deu certo, porém toda a escola ficou sabendo disso, inclusive a namorada dele, que ficava me encarando no corredor, com um olhar de queimar alma. Infelizmente não foi o que aconteceu no outro dia, quando ele é o grupinho estavam em seu lugar de sempre, e eu tinha acabado de sair da prova, pude ouvir eles gritando meu nome é vindo em minha direção. Não pensei duas vezes em sair correndo. E por sorte consegui me esconder em uma das salas e ninguém me viu. Só que a coisa não acaba aí. Certo dia almocei na escola, e sentei com umas amigas em um banco na minha quadra, onde os meninos do 3° ficavam jogando basquete, e nos, só assistíamos. Só que minha amiga estava levemente bêbada, e um dos amigos dela do buffet (grupo de meninos que ele participava(chama-se buffet pois no restaurante um dia todos estavam lá e essa mesma amiga disse: “humm..... acho que vou me servir do buffet que acabou de chegar”, e acabou ficando) passo em frente com um de nossos professores, e ela diz ao nosso professor, o caralho está aí (disse o nome real) está sim pera aí, neste instante pensei:” fudeu!!!” Peguei minha coisas e sai correndo por uma portinha que tinha, fui até uma sala e recebi um áudio do amigo dela, dizendo que a namorada dele estava muito puta comigo, com ódio guardado pra mim. Mas a coisa ainda não acaba aí, no último dia de aula, eu ia pra escola a pé pq morava a 2 quadras da escola, MAS, tinha chovido na noite anterior, e para chegar até a escola teria que passar por uma pequena praça, que estava lotada de barro, eu idiota pensei:” pq não pular né”, a resposta é simples e clara, cai de bunda no barro, na frente da rua mais movimentada da cidade, eu me levantei pleno e pensei:” não deve estar tão sujo né”, erro meu, parecia que um vulcão de merda entrou em erupção na minha calça, corri pro banheiro chegando na escola e, liguei pra minha amiga ir me encontrar lá, e pro meu pai me levar uma roupa limpa. Me troquei, e quando saio do banheiro que ficava no pátio, vejo na janela do 2° andar, 350 mil pessoas do 3°, inclusive ele, tirando fotos e me gravando, deve de ter figurinhas minha rodando até hoje. Eu tenho medo da namorada dele até hoje com ela, mas vida que segue. É isso lubixco. >3
submitted by claudia_aaraia to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.10 08:37 Pomiwl Ninguém Precisa Saber Capítulo 2

II. MUITA COISA MUDOU
A luz da lua banhava, junto das milhares de estrelas que a acompanhavam numa imensidão negra, a copa das árvores da Floresta de Mouneet. Deslizando morro abaixo, por entre árvores e arbustos, uma vasta clareira expandia-se ao centro do local. Diana observava o céu — aquele grande poço de tinta escura, manchado apenas por pintas pontilhadas, com o tom de branco tão puro quanto as asas de um anjo. Algumas nuvens cinzentas voavam acima de sua cabeça, acompanhadas de corujas e corvos que encontravam seu caminho de volta para casa. Era a hora dos predadores atacarem. E, mesmo assim, parecia mais bela do que nunca. A garota tornou a folhear a caderneta que segurava em suas mãos. Apoiava suas costas em uma das pedras que espalhavam-se pela clareira, com tamanhos que variavam com constância. Não era confortável, afinal; mas era o que a natureza a disponibilizara no momento. Estava lá, sozinha, sem rumo, sem caminho. Sem qualquer guia, apenas as estrelas que indicavam o caminho ao distante norte. Ajeitou seus olhos com o dedo indicador, os deslizando por seu nariz até que estivesse na posição adequada, cobrindo suas sobrancelhas ruivas como o seu cabelo, vermelho como ferrugem ou como a chama ardente da pequena lareira que crepitava a sua frente. Esticou as pernas por debaixo do cobertor que carregara de sua barraca até o local, para que ficasse mais próxima de sua única fonte de luz e para que pudesse ler suas anotações antigas. Reluzindo a capa de couro negra, as indicações “este diário pertence a Diana Evolwood”, em auto-relevo. Ela inclinava sua cabeça levemente para frente para que pudesse ler o título de cada dia que passara em sua vida, onde registrara tudo que havia acontecido. Às vezes, gostava de relembrar o tempo quando ainda tinha alguma companhia além de Khan, seu fiel gato, que no momento descansava dentro da barraca. Passava os olhos sobre o título de cada dia do diário. “O dia em que fomos acampar”, “o dia em que fomos ao parque de diversões” eram algumas das diversas memórias que vinham a sua cabeça, vívidas como se houvessem acontecido no dia anterior, apesar dos diversos meses que haviam passado desde que tudo aconteceu. Continuava folheando até que deparou-se com uma página em branco, apenas com um largo título no topo da página amarelada. “O dia em que tudo acabou” diziam as letras marcadas por uma tinta preta que manchou levemente o papel. Rapidamente, tornou-se insegura, como se tivesse sido emergida em pura tensão e horror repentinas, seguidos de alguns soluços breves. Por algum motivo, mesmo relembrando todos os dias daquela vazia página, não esperava a encontrar folheando aleatoriamente a caderneta em busca de algumas memórias agradáveis que a fizesse se sentir um pouco mais segura. O coração da jovem acelerou, e ainda mais lembranças vieram à tona. Dessa vez, não era aquele mesmo bom sentimento de nostalgia ou conforto. Era dor. Dor, angústia e desespero. Seus olhos arregalaram-se e, por mais que tentasse lutar contra aqueles pensamentos, não pôde evitar que algumas lágrimas se acumulassem por detrás de seus óculos. Diana encolheu-se, deixando a caderneta cair no chão, levantando uma poeira momentânea e provocando um curto ruído — o suficiente para despertar Khan, que levantou sua cabeça dentro da barraca. Ao menos, era o que sua silhueta através do tecido da tenda mostrava. Lembrou-se do conselho que recebera há algum tempo. “Deve lutar contra seus traumas, mesmo que pensar neles já seja doloroso.” Inspirando um pouco de ar pelo nariz e fungando, recolheu as lágrimas e ergueu novamente seu corpo contra a pedra. Este era o motivo pelo qual estava lá. Não poderia deixar que tudo fosse em vão. Olhou para o céu novamente, que não havia mudado nem por um instante. Qual era o propósito daquilo tudo? Uma garota de sua idade deveria estar na escola, como qualquer outra adolescente. A escuridão costumava a assustar, mas, após conviver com ela por tanto tempo, passou a se sentir segura emergida em um poço sem fundo, onde nada podia ver além de um abismo de incerteza. Este era seu futuro. “Um abismo de incerteza”. Recuperando seu fôlego, pegou seu diário e limpou sua capa de couro com a outra mão. Agora, era sua mão que estava coberta de poeira. Deixando apenas uma única lágrima cair sobre a folha, leu em voz alta um anexo preso à página — uma passagem de jornal, que exibia a imagem de um garoto que se parecia muito com a própria Diana. — “O desaparecimento de Max Evolwood”. Sua voz estava ainda mais rouca do que antes, e suas pálpebras quase caíram sobre os olhos do peso de várias noites mal dormidas que carregavam. Fitou a clareira onde se encontrava. Assegurou-se de que estavam completamente sozinhos. Catou o primeiro graveto que viu a sua frente e jogou sobre o fogo, fazendo com que resquícios de brasas passadas voassem ao alto por um instante e, em pouco tempo, irrompeu-se em chamas, bem como as demais lenhas. Ajoelhou-se na terra, guiando seu corpo pelos seus braços, que encontraram o zíper que fechava a entrada da barraca. Abriu-o, deixando a claridade da lareira invadir o local, que estava bem mais quente do que o lado de fora. Khan estava lá, encolhido, mas ela mal prestou atenção em seu amigo. Carregando seu cobertor que arrastava-se completamente pelo chão, acumulando certa quantidade de poeira e sujeira — fato com o qual ela não parecia se importar — em sua ponta. Levava a caderneta abaixo de seu braço, coberto por inteiro por uma blusa de manga comprida com um delicado tom de escarlate, roupa que já usava há dias desde que havia deixado Lyrion. O teto da barraca era baixo, fazendo com que ela não pudesse se estabelecer de forma tão confortável mas, definitivamente, era bem melhor do que dormir lá fora. O tecido da tenda era esverdeado, camuflando-se entre as cores da floresta. Quando deitava no chão, podia sentir a grama e as pedras espetando seu corpo, logo abaixo daquela fajuta camada de pano. Mas, mesmo assim, o sono da garota era tanto que ela simplesmente repousou a cabeça sobre um amontoado de roupas velhas — que improvisaram como sendo um travesseiro — e fechou seus olhos, mergulhando em um sono profundo.
As luzes da sirene policial brilhavam sobre a parede branca da sua sala, irrompendo pela larga janela de sua casa com força. Diana havia acabado de acordar — o poderoso som provocado pela viatura parecia não ter perturbado somente à ela, mas a todo o bairro, que se reuniu na frente de sua cara para saber o que houve. Mas, a primeira coisa que notou quando abriu seus olhos foi a cama de Max, seu irmão, estava completamente vazia — os lençóis bagunçados, bem como os travesseiros brancos. A partir daí, já tinha um mal pressentimento sobre o que veria a seguir. Seguiu com os pés descalços até o corredor, provocando um irritante ruído quando abriu a porta. Ainda não estava completamente dispersa, esfregando os olhos com o punho fechado e bocejando. Passou por duas portas — o banheiro e o quarto de seus pais. Caminhou em direção à sala. À medida que se aproximava, começou a escutar algumas palavras soltas, interrompidas por soluços vindos de outra pessoa — sua mãe. — Nós daremos o máximo para encontrarmos Max, mas não garantimos nada — comentou um homem desconhecido, vestido com trajes policiais. Se deparou com dois homens que nunca havia visto na vida sentados nas poltronas da sala de estar, enquanto seus pais estavam sentados no divã. Rachel cobria seu rosto, com os cotovelos apoiados sobre as coxas, deixando escorrer lágrimas por seu antebraço. Ed a consolava, passando a mão por seu pescoço, mas também aparentava estar extremamente preocupado. — Acho melhor darmos um tempo para vocês conversarem. Continuaremos com as perguntas depois — finalizou, suspirando ao perceber a presença de Diana que, apesar de não saber exatamente o que acontecia, tinha suas suspeitas. Rachel levantou o rosto. Seu rosto estava inchado e vermelho, com lágrimas queimando em sua face. Estava claramente fraca, os olhos profundos de uma noite mal dormida. Parecia estar prestes a desmaiar a qualquer instante. Diana nunca havia visto sua mãe desta forma. Ela ainda utilizava seu pijama, molhado por pequenos pontos mais escuros que destacavam-se sobre sua blusa branca. Estava trêmula. Ed parecia tentar disfarçar seu choro, piscando frequentemente para livrar-se de suas lágrimas. Diana nunca entendeu, já que a sua vida inteira foi ensinada que você sempre deve demonstrar seus sentimentos, e que guardar tudo para você te faz mal. De uma forma ou de outra, também estava claro o quão preocupado estava. — Ah, minha filha... Mal conseguiu completar sua frase. O piso da sala, gelado, cobria o corpo da garota como um balde de água fria derramado sobre seus cabelos castanhos. Em pouco tempo, já soube o que havia acontecido. Sentiu como se seu coração parasse e saltasse pela sua boca, talvez em busca de um lugar distante onde não precisasse encarar o que estava por vir. E aquelas mesmas palavras ressoaram à sua cabeça, como um eco distante vindo do fundo dos seus pensamentos, claras como um trauma que carregava, e obscuras como o medo e a desconfiança que sentiu naquele mesmo instante, quando viu a boca de sua mãe repetir lentamente, tremendo os lábios: — Max está desaparecido. Em seguida, desabou-se sobre os braços do marido, que a reconfortou. Rachel, depois de gritar sem êxito por ter sua voz abafada por suas próprias mãos, levantou seu rosto contra a garota novamente. Porém, não era tristeza que expressava. Era raiva. Suas sobrancelhas franzidas e seus dentes cerravam denunciavam suas emoções. — Como pôde deixar que isso acontecesse, Diana? Max era seu irmão. Como não pôde o proteger? — disse ela, a ponto de berrar a qualquer instante. Seu rosto estava vermelho como um tomate. — Diana, como é imprestável. Seu próprio irmão... como pôde deixar que isso acontecesse? Você é a culpada aqui. Você falhou. — completou seu pai, que também a encarava subitamente, com os olhos sedentos. — M-Mas, eu... — ela estava confusa. O que estava acontecendo? Como poderia ser sua culpa? Sua mente carregou-se com um turbilhão de emoções em instantes. Ela havia... falhado? — Sem “mas”, garotinha. Você já tem idade o suficiente para ter consciência sobre seus atos. Você foi inútil. Não conseguiu fazer nada para salvá-lo. Max confiava em você, e agora? Está provavelmente morto. Você sabe que está errada, não ouse negar sua culpa. — se intrometeu o policial, tendo uma estranha energia, como se ele já a conhecesse. Levou a mão direita ao olho direito. Uma lágrima escorria pela sua face. Elevou sua mão esquerda ao olho esquerdo. Uma gota de sangue escarlate vazava de sua bochecha. Era como se uma entidade mexesse com a cabeça de todos ao mesmo tempo. Levantaram-se e foram-se em sua direção, esbanjando a mesma cara séria e de olhos arregalados, como num filme de terror. Se aproximavam lentamente, repetindo críticas ao comportamento de Diana em um tom aterrorizante, como se fossem a atacar. A cada passo que davam em sua direção, a encurralando contra a parede, o ritmo de seu coração também aumentava. Seus olhos demoravam a abrir novamente quando piscava. Não havia caminho. De repente, sentiu algo como um arranhão em sua face, seguido por um forte miado em seu ouvido. Piscou, mas não acordara dentro da sala de sua casa. Ainda estava dentro da barraca, e Khan cutucava seu rosto para que acordasse. Ela resmungou algo sobre ainda estar dormindo, mas ainda assim levantou-se.
Muita coisa havia mudado desde que saíram de Lyrion após a declaração da situação de extremo risco que sofria. Os feixes da luz do sol atravessavam o tecido da barraca. Sentiu o calor irradiar seu rosto em instantes. Seus olhos arderam com a brusca diferença de luminosidade. Catou sua caderneta antes de sair e começou a rabiscar o papel, formando alguns garranchos que, se apertasse bem os olhos, seriam legíveis. Sentiu o cheiro da tinta fresca da caneta quando começou a escrever. “Olá. Faz um tempo desde que não nos falamos, não é? Eu sei que eu meio que te abandonei, mas é que as coisas estiveram me ocupando bastante desde que a gente veio pra cá. Vou tentar te atualizar de tudo que rolou desde então. Depois daquela tarde em que nós colocamos o rádio para funcionar pela primeira vez, nós começamos a arrumar umas malas (aparentemente, não coloquei roupas o suficiente, já que to usando a mesma roupa há alguns dias). No dia seguinte, nós fomos em uma loja no centro da cidade que costumava vender equipamentos para acampar. Espero que me perdoe, mãe, mas nós meio que levamos algumas coisas sem pagar. Era uma situação de vida ou morte, tá legal? Um azar que eu não peguei uma daquelas barracas super chiques com espaço para oito pessoas. A essa altura, a que pegamos já tá toda rasgada. Triste. Nós decidimos vir para a Floresta de Mouneet, onde a gente costumava vir para passar alguns finais de semana. Era legal. Estamos estabelecidos nessa clareira há alguns dias. O alimento ainda tá meio longe de acabar, mas nós já estamos providenciando mais. Lembro de algumas frutinhas comestíveis que nós provávamos quando vínhamos acampar. Bons momentos.” A partir daí, sua caneta começou a falhar. Pegou a caderneta e a arremessou de volta para dentro da barraca. Estava mal-humorada. Calçou suas botas jogadas ao canto. Seu couro estava quase mofado e seu interior estava úmido — mas era melhor do que nada. Estava partindo em direção a um lago próximo da clareira, onde poderiam fazer sua higiene pessoal. Não negava que era uma situação completamente diferente de qualquer outra que já esteve. Era garota criada em apartamento, vida perfeita, família feliz. Mas estava disposta a fazer qualquer coisa se seu irmão dependesse de si. E era nessa situação em se encontrava. Então, enquanto não encontrasse seu irmão... Continuaria escovando seus dentes com a água do lago. Khan a seguiu, adentrando o mato. Suas patas estavam cobertas por uma mistura de lama com folhas secas. Era nojento. Cada vez mais, se aproximavam da grande concentração de água. O ar que respiravam era diferente do da cidade — era puro, leve, como se fosse libertador. Além das árvores, já podia ver o grande espelho d’água refletindo a margem do lago. Um milagre da natureza, de beleza indescritível. Uma família de patos cambaleavam até a borda, preparando-se para molharem suas penas. A mãe ia na frente, enquanto os sete pequenininhos oscilavam seus passos em uma fila. Era de longe a coisa mais bonita que já havia presenciado. Estampava essa emoção com sua boca aberta, mas ainda mostrando os dentes, sorrindo. Porém, algo lhe chamou a atenção. Algo se mexia por detrás dos arbustos, da onde saíam guinchos e choros. O barulho a causou comoção, que procurou saber da onde vinha. — Khan! Tá ouvindo isso? — ela deu um breve silêncio para que pudesse ouvir melhor. O som do vento chacoalhando os galhos das árvores a trouxe paz. O choro se repetiu. — Vamos! O gato pulou em meio ao amontoado de plantas e raízes, abrindo um rombo entre as folhas com suas garras. Diana impressionou-se com sua capacidade. Em meio às folhas caídas, surgiu o oitavo patinho perdido, que continuou a chorar. Algumas gotas de chuva começaram a cair contra o chão, levantando a lama que repousava, endurecida, sob seus pés. Seu coração se amoleceu ao ver que tinha sua pata presa à uma das raízes da planta, que parecia o machucar com força a cada movimento que fazia. Ele a encarava como se implorasse por socorro, mas ainda assustado com a presença dos dois. As gotas de água começaram a se tornar cada vez mais frequentes. — Ah, coitadinho... — ela acariciou sua cabeça com o dedo indicador, sentindo as penas amarelas como a gema do ovo em suas mãos. Seu bico achatado e rosado abria uma hora ou outra para continuar guinchando de dor. — calma, calma. Khan, você não pode cortar a raiz com sua garra. Vai acabar machucando ele. Vem, fica aqui bem atrás de mim. Eu tenho algo melhor para ajudá-lo. Do seu bolso de trás, catou a caneta que esquecera de jogar de volta à barraca quando começou a falhar. Com cuidado, a encravou entre a raiz e a patinha do animal, e começou a puxá-la para trás, lentamente rompendo as fibras. Finalmente, a raiz se partiu no meio, lançando uma seiva amarelada para toda a parte e quebrando o acrílico da caneta. Agora sim precisaria de uma nova. Sua camisa estava completamente ensopada e pesada, enquanto os pelos de Khan estavam caídos com a água. Ela catou o filhote em seus braços, o confortando e envolvendo seu machucado com uma parte de sua blusa para estancar um pequeno sangramento que se surgiu. Tomando cuidado com seus passos, o carregou até perto da sua mãe, que parecia mesmo procurar por algo enquanto os filhotes de refrescavam na água. Ela grasnou e chorou, até que Diana adentrou a clareira que cercava o lago, com Khan colado à sua perna. Um forte vento acompanhou as gotas de chuva, que começaram a atingi-los quase que na horizontal. Pelo amontoado de árvores e arbustos, pode ver além da clareira sua barraca, que chacoalhava fortemente. O pequeno pato alegrou-se em ver sua mãe. Com seu pequeno conhecimento sobre a lógica animal, não se aproximou da mãe, pois poderia a encarar como uma ameaça; apenas o deixou ao chão e, derrapando por não conseguir utilizar uma de suas pernas, voltou para sua família. — Sabe, Khan... — ela finalmente desviou o olhar do grupo de animais, que continuavam a se banhar no lago, felizes — acho que eu gosto de ajudar as pessoas. Nesse pequeno tempo... eu não pensei em Max, ou em meus pais em momento algum. Eu costumava só me preocupar com isso. Eu até sonhei com eles. Mas, eu não me sinto preocupada, ao mesmo tempo que eu acho que deveria estar, e... O companheiro olhava diretamente em seus olhos. Ele, geralmente, não gostava de estar sujo, mas não parecia se incomodar nem um pouco naquele momento. — Acho que é isso. — O olhar de Khan demonstrava sua confusão, mas ao mesmo tempo uma leve curiosidade. — É isso que eu quero fazer. Ajudar as pessoas. Ele abriu um longo sorriso e ronronou. — Mas... é hora de voltar à realidade. Olhando em volta, ela podia ver um pedaço danificado da barraca, carregado e destruída pela chuva. Ela se aproximou e segurou o grande pedaço de lona rasgada e suja de lama, presa a um grande tronco de árvore, cortado pela metade. O tecido era azul, e se desfazia quando Diana esfregava seus dedos entre o pano. Agarrado a ele, sua caderneta, completamente ensopada e suja. Pelo menos, isso conseguiu ser salvo. — Acho que teremos de achar outro lugar para dormir... Ela continuava examinando os pedaços arrancados da barraca, enquanto o pequeno gato olhava à sua volta. Tentou livrar-se com sua pata de algumas folhas que grudaram-se ao seu corpo com a aderência da lama já seca, que permanecia endurecendo seu pelo, cinza como as nuvens que pairavam o céu, e que ainda descarregavam uma massiva quantidade de água. Caminhou ao redor, desviando de pequenas plantas que nasciam por entre a terra, constantemente recebendo umidade daquele clima extremamente chuvoso. Subiu em uma grande pedra, que se alongava até as proximidades do lago. Já em sua ponta dura e afiada, Khan avistou, do outro lado do grande espelho d’água, uma pequena casa de madeira, iluminada pelo sol que ainda escalava dificilmente o céu, erguendo seu brilho em direção ao meio-dia. Parecia um lugar caloroso na percepção limitada do gato. Diana, acompanhando o amigo com o olhar, enxergou também a casa, onde poderiam pedir abrigo. Ela se sentou. Suas pernas ainda estavam cansadas e em constante dor. Seu coração permanecia acelerado. A menina observou o chão, onde algumas flores pareciam sofrer as reações do fim do outono e a chegada do inverno. Era uma rosa — um pouco desbotada, mas era como um símbolo de resistência. Ela arrancou a flor da terra, tomando cuidado para não se furar com os espinhos — ela deslizou para fora da lama lubrificada sem insistência. Ergueu suas pétalas. Seu rosto ficou lívido quando percebeu um pequeno detalhe, que a fez largar a rosa no chão — ela rapidamente se desfez em poeira. O caule estava cinzento. — Khan... — ela se afastou o mais rápido que pôde da flor que, no momento que tocou o chão, fez com que a pouca grama à sua volta também se tornasse cinzenta e podre. O forte cheiro de estrume também incomodou o olfato de Diana. — precisamos ir... rápido! O felino saltou do topo da grande pedra até o chão, caindo de pé. Parecia confuso, mas não hesitava em seguir sua fiel companheira. Deixou todos os seus pertences para trás, conseguindo levar consigo apenas sua caderneta, em que registrava cada dia que passava. Suas pegadas foram deixadas pela última vez naquela lama, que nunca mais seria tocada por uma alma viva. Estava trêmula, assustada. Em um segundo, todos os seus sentimentos de preocupação e ansiedade voltaram ao seu corpo, um por um. A assassina havia os alcançado.
submitted by Pomiwl to NinguemPrecisaSaber [link] [comments]


2020.02.05 03:17 buzzbuzzmaster A primeira broxada ninguém esquece

A vida é dura, todo mundo sabe, mas às vezes não queremos saber de moleza. É aquele momento em que o show vai começar, o palco tá ali pronto pra ser usado, mas o batera não tá afim. E você fica lá, na tentativa, esperando por um sinal de vida e nada. É uma broxada, caro amigo/a. A causa pouco importa, mas o sentimento de derrota, de 7x1 tá ali.
No começo da minha vida sexual eu combatia outro problema, que era a queimada de largada. Aprendi a me controlar bem, porém a duras penas, pois o baterista tava a 140bpm e cansava rápido. Sabe como é. Tinha essa guria na faculdade: belo sorriso, nariz lindo, cabelo cacheado e sexy. Seu curso era no meu bloco, então a via quase todo dia e rolava aqueles olhares interessados. Até sorrisinho em uma situação ou outra, mas sem conversa. Por sorte ela pegava o mesmo ônibus que eu, que ia meio cheio, o que a levou sentar ao meu lado. Aquele papo-furado, "ah oi tudo bom", risadinha e o motorista metido a Aírton Senna faz uma curva fechada e o corpo dela se joga no meu, ela coloca a mão na minha perna pelo susto e dá aquele olhar de "E AGORA SEU FDP". A chamei pra sair, claro.
Saímos uma noite. Divertida. Piroca ali curiosa com a movimentação, mas sabia muito bem que não era dia de show. No máximo ensaio. Pegação inocente, um mão mais arrojada aqui e ali. Saímos outra vez e mais uma. Os beijos só ficavam mais safados, assim como as mãos dela, que faziam mão boba no meu pau. Em troca, eu fazia mão boba em seu bumbum durinho. Nada como uma boa troca.
Isso tinha que ter um fim, já estava demais, tesão lá em cima. E daí rola o artifício, que na época era assistir um DVD. Sou pré-Netflix, cambada. Ela foi no meu humilde apartamento de 1 quarto. Na época eu não tinha sofá. Só fui ter sofá muitos anos depois, assim como outras coisas na casa. A máquina de lavar era mais importante, assim como o fogão. Prioridades. Pra substituir eu tinha um colchão de solteiro, que colocava no chão quando precisava.
Ela chega, o filme começa e nem dá 10 minutos e a beijação acontece. Ela começa com a mão boba, o que significa para mim que tô liberado pra explorar o seu corpo. Então digo "coloca sua mão dentro da bermuda" e ela põe e começa a brincar. O garoto fica todo pimpão. Daí ela larga: "eu nunca peguei em um antes" e me olha nos olhos, com um sorriso envergonhado. Ela era virgem. Na hora não sei o que me deu, fiquei nervoso. Foi como a primeira vez que toquei com banda em um bar. Foi o mesmo nervoso, pois sabia que tinha que a apresentação tinha que ser boa.
Eu estava mentalmente excitado, mas o corpo não acompanhava. Eu me foquei nela. Ela era magrinha sabe, tinha seios bonitos, a barriguinha sexy, pernas bem torneadas, bumbum durinho. Ela era um tesão. Na hora eu não entendia o pq me sentia assim, deveria ser o contrário. Meu pinto deveria estar tão duro quanto um prego, com as veias quase estourando só de olhar pra vagina dela, que era bem gordinha pra uma menina tão magra. Eu estava meia bomba, e ela molhada. Usei meus dedos. Minha língua. Ela gozou. Estava me desviando dela, pra não perceber. Tava ali tentando alegrar o amigão, mas nada. Tava com vergonha da situação, obviamente, nessas horas nada acontece.
Ela queria ação. Eu também queria, mas tinha perdido o tesão. Ela me falava "quero você" ou "me come" e eu não sabia o que fazer. Tive que ser sincero, falei de um jeito nada interessante que tava cansado e que tinha jogado bola o dia todo (mintira). Ela ficou visivelmente decepcionada e também broxou. Achei que ia embora ou algo assim, mas não. Ficou comigo, me abraçou. Dormimos de conchinha.
Ao acordar penetrei naquela vagina apertada e molhada. Foi muito natural e segundo ela, sentiu pouca dor. Eu nunca tinha tirado virgindade de ninguém. Tentei ser o mais cuidadoso possível e ela curtiu.
E namoramos durante um ano.
submitted by buzzbuzzmaster to sexualidade [link] [comments]


2020.02.05 00:04 contadescartavel123 Tive vergonha de desabafar aqui

Olá, tudo bom? Pra ser sincero, depois de ler alguns posts aqui, fiquei até com vergonha de postar o meu. Pois bem, a situação é mais ou menos a seguinte: eu tive depressão praticamente 2/3 da minha vida e por conta disso sou quase um autista na arte do flerte. Eu consigo manter uma conversa com qualquer um numa boa mas aparentemente não consigo demonstrar as minhas intenções pras garotas, muito embora eu tenha tentado isso pouquíssimas vezes na vida. Pra complicar, já estou bastante velho (tenho 29) e sou virjão, fato que talvez seja relevante, mesmo que ninguém acredite. Vira e mexe eu vejo mulheres olhando pra mim na rua mas eu tenho uma paranóia de nunca saber se elas me acharam bonito ou se elas estão só olhando porque tem que olhar pra alguém mesmo. É aquele tipo de olhada que quando a pessoa que você está olhando resolve olhar pra você, você acaba desviando o olhar, sabem? Eu geralmente faço isso quando estou olhando pra pessoas que eu considero bonitas, mas como me considero um retardado tenho em mente que não sou parâmetro pra nada em relações sociais. Sempre que acontece isso eu tenho que ir no banheiro pois eu acho que tem alguma coisa errada na minha cara ou na minha roupa mas nunca tem nada. O fato de ninguém sequer me zoar de virjão me parece um indicativo que eu deva ter uma beleza pelo menos mediana ou que eu finjo bem, então creio que o meu problema seja algo na comunicação em vez de ser algo físico.
Agora mesmo, resolvi ir na academia e aconteceu exatamente essa situação com uma menina. Como ela estava naquele aparelho de ficar subindo uma escada infinita eu pensei em falar alguma coisa mas como foi tudo rápido, acabei não falando nada.
Sempre tive em mente por conta disso que eu iria morrer sozinho mas estou começando a sentir o chamado da natureza pra ter filhos e constituir uma família. Infelizmente eu caí no conto no niilismo e tenho tentado encontrar algum motivo pelo qual valha a pena viver. Pelas conversas que eu tive com o meu pai, acho que um filho seria isso. Pode não ser o caso e eu posso acabar sendo um péssimo pai e fazendo a criança sofrer mas creio que não.
Acho que eu queria saber mesmo como fazer pra iniciar uma conversa agradável com mulheres, de modo que eu consiga demonstrar segundas intenções. Eu até tenho um instagram mas nunca postei uma foto nem conversei com ninguém lá.
submitted by contadescartavel123 to desabafos [link] [comments]


2019.12.24 05:48 lobosolitariobr Um amor fora de contexto

Tudo começou quando um amigo meu me chamou pra sair e disse que ia me apresentar uma amiga, peguei o carro e fui no ap dela com ele chegando lá eu encontrei com ela, a menina mt linda e simpatica cmg.. ficamos conversando e ela queria um lanche, meu amigo foi com ela comprar e eu fiquei com a outra amiga dela conversando enquanto eles não voltavam, a outra amiga dela falando varias besteiras dizendo q eles deveriam ta é fudendo e eu sempre desviando dessas conversas pois não queria julgar a menina, até ai beleza eles chegaram com os lanche e como já tava tarde eu ralei.. passou umas 2 semanas ela me mandou msg dizendo pra mim ir pra la pra gnt conversar e disse q tava com uma amiga e pediu pra mim leva um amigo, chamei um amigo meu ele fecho, fomos parar de novo no ap dela, só que dessa vez eu não aguentei eu tinha que ficar com ela, ficamos conversando uns 10 minutos no ap dela e depois resolvemos sair pra rua pra um local perto da onde ela morava, nisso meu amigo quis passar em casa antes pra por uma roupa, suave peguei meu carro e levei ele na casa dele, as duas vieram juntos, ai a amiga dela subiu com ele pra trocar de roupa e ela ficou comigo dentro do carro.. dentro do carro ela começou me olhar com uma carinha de quem queria sexo, mais como eu ainda não tinha beijado ela, fiquei um pouco indeciso do que estaria acontecendo ali, quando fui dar o beijo nela ela vira e me diz que não me beijaria, pois depois do ultimo relacionamento dela ela não queria se prender com mais ngm, mais a fdp queria me dar a bct e acabei comendo dentro do carro.. passou uns 20 minutos o meu amigo voltou com a menina e fomos pra rua, ficamos um tempo na rua e depois fui deixar ela na casa dela. Passou um tempo a gnt começou gostar muito um do outro, só que eu não queria nada com ela pois eu já tinha 22 e ela 16 não queria um relacionamento com uma mina tão nova pois sei que é dor de cabeça, chegando sabado ela me mandar msg dizendo pra mim ir pra uma festinha junina da igreja que acontece todo ano, blz fechei com ela e fui, partir com um amigo meu chegando lá eu não tinha encontrado ela, fiquei parado no carro esperando ela aparece ai do nada brota uma garota dizendo q era amiga dela e perguntou se era eu q tava ficando com ela, eu respondi q sim, ai ela tudo bem, e dai ela soltou q queria pegar alguém, e acabou me beijando no carro mesmo, eu n fiquei com ressentimento pois n tinha nada com ela, sendo que até meu amigo pegou tbm depois de mim, até ai tudo bem, sair do carro e fui procurar por ela, encontrei ela puta chorando dizendo q amiga dela tinha ficado comigo e eu n disse nada pra ela, puxei ela e levei pra fora do evento e disse q n tinha nada com ela e a amiga dela que quis ficar comigo e não neguei, até ai tudo bem ela me pediu uma carona pra ir pra casa, fui deixar ela em casa no caminho de casa ela pediu pra mim parar em algum local pra gnt conversar, acabei parando em uma rua perto da minha casa, quando parei o carro ela começou a chorar de novo, perguntei o porque e ela disse q era por causa dos pais dela e q não queria falar nada sobre, fiquei puto e deixei ela em casa. até ai eu não tinha sentimento nenhum por ela mais o pior de tudo aconteceu, passou um tempo a gnt não se via mais e nem trocava msgs, eu tinha definitivamente esquecido dela, ai do nada a mina aparece de novo na minha vida, só q ela aparece agora como minha cunhada meu irmão sabia que eu ja tinha ficado com ela e perguntou pra mim se tinhar algum problema eu respondi que não.. mais conforme o tempo passando a gnt começou a sair juntos e eu sempre sem namorada.. em um belo dia estava indo pro baile e acabei encontrando meu irmao e ela no caminho e fomos pro baile, no baile já embrasando decido fica na frente dela pra ninguém ficar caindo em cima dela, fiquei dançando na frente dela, e do nada eu sentir umas unhas na minha costas e era dela, não falei nada só deixei acontecer ela me arranhando enquanto eu dançava no baile, até ai tudo bem resolvermos ir embora, na época meu irmão ainda morava comigo ela veio junto pra casa, eu já tava sabendo a intenção dela e ela a minha, chegando em casa fui pro banheiro tomar um banho pra dormir, quando chego no baile me deparo com ela se olhando no espelho, ela me ver no reflexo do espelho e vira com uma cara vermelha cheia de amor pra mim, não me aguento e acabo pegando ela dentro do banheiro enquanto meu irmão estava no quarto, até ai tudo bem peguei ela deixei ela no chão do banheiro traumatizada com aquilo kkk, vou pro meu quarto e fecho a porta.
liguei o pc e fui jogar um lolzin, eu jogando ouço 2 batida na porta do meu quarto, era ela perguntando o que tinha acontecido no banheiro, eu disse q n aconteceu nada, e ela ficou insistindo em dizer q aconteceu, o quarto do meu irmão era do lado do meu, mandei ela voltar pro quarto do meu irmão e esquece pois n tinha nada, ela voltou pro quarto dele passou uns 10 minutos ela voltou no meu quarto de novo dizendo que ele ouviu tudo e q ele estava chorando, eu dizendo pra ela q ela tava maluca e q n tinha acontecido nada, do nada ele aparece no meu quarto e fala pra ela volta pro quarto pois n tinha acontecido nada. fui dormir no outro dia eu não conseguia esquece daquilo e como tinha ocorrido.. passou um tempo ela me mandar msg no whatsapp perguntando pq eu n falei a verdade, eu disse q n queria estragar o relacionamento deles, até ai beleza ela começou a ficar escrevendo escrevendo, no final acabamos marcando pra se encontrar na praia pois n aguentávamos de saudade um do outro, fui encontrar com ela na praia a noite e ficamos de novo, passou um tempo ela acabou contando pra ele q ficou comigo na praia e que foi eu q fui atras dela, meus pais ficaram sabendo e disseram q não queria ela mais aqui em casa, meu irmão n me disse nada ele resolveu ir morar com ela, passou um tempo eles se mudaram aqui pra perto de casa, e acabamos saindo de novo, e assim tem sido eles saem me chama eu vou e acabo ficando sempre com ela, sempre a gente da um perdido e acaba ficando, parece que o destino ta me fodendo, pois não aguento ver ela com ele, ai a ultima ela descobriu q ele tinha traido ela com 5 meses de namoro, logo agora q eu queria dar um ponto final nisso pois n acho certo ser amante da minha cunhada, ai ela me conta tudo e a gnt acaba ficando de novo, e ta sendo assim sempre quando nós sair, ela dar um jeito de me levar no banheiro pra gnt ficar.. A gnt só tem ficado, mais eu sei que em colque momento se a gnt ficar sozinhos dar merda.. mais agr eu fico indeciso, pois ela quer terminar com ele, mais eu a forço ela dizendo pra ela não terminar, pois se ela terminar ela vai ficar sem mim também. e assim a gnt ta levando a vida. Eu não conto pro meu irmão pois esse é o papel dela q tem q contar, pois se eu contar ele não acreditaria em mim igual as ultimas vezes.
submitted by lobosolitariobr to desabafos [link] [comments]


2019.07.22 11:06 jwachowski abelhas no jardim

Certa manhã acordei de sonhos intranquilos. Eu estava sozinho na cama de casal como sempre. Minha companheira foi trabalhar cedo e só voltaria na hora do almoço. Acordei todo encolhido no formato de um bolo de fubá. Meu nariz estava no rabo. Isso mesmo, no rabo. Eu tinha me transformado num cachorro.
De primeira vista não estranhei meus olhos vendo o ambiente todo em preto e branco pois há muito tempo as coisas já tinham perdido o brilho para mim. Apenas me dei conta que virei um quadrúpede quando fui descer da cama e senti minhas quatro patas tocando o chão gelado.
Tentei gritar ao ver a visão das minhas unhas pretas mas apenas saiu uns latidos estranhos iguais aos cachorros tomando banho nos vídeos da internet. Meu deus! O que eu faria agora? Minha mulher não podia me ver daquele jeito. Se eu pelo menos tivesse me transformado em um cachorro de raça. Sei lá, um labrador, um husky siberiano ou um pastor alemão mas não. Me transformei num vira lata daqueles cor de caramelo com olhar de pedinte que fica assistindo frango rodando na máquina.
Olhei o relógio da parede, eram quase uma da tarde e minha mulher iria chegar a qualquer momento. A ansiedade me deu uma coceira incrível atrás da orelha. Cocei, cocei e cocei com força e depois sem saber porque lambi minha pata. Nessa coça coça infernal ouvi de longe o portão abrir. Comecei a rodar em volta do meu próprio rabo sem saber o que fazer. Quando ouvi os passos da minha mulher pela cozinha acabei me enfiando embaixo da cama. Ela entrou no quarto e sentou na cama. Senti o colchão descer sobre minha cabeça. Ela tirou os tênis e colocou na sapateira junto com os outros calçados.
Meu nariz agora ultrassensível sentia o cheiro do meu próprio perfume. Ah, como eu odiava que ela usasse meus perfumes e desodorantes. No tempo das vacas gordas pra mim, eu vivia comprando perfumes para ela. Nessa época eu até usava um sabonete diferente do dela para manter a individualidade e manter a chama do relacionamento acessa. Eu nunca soube se ela se esqueceu ou nunca soube que abelhas não polinizam um jardim seco. Meus olhos cor de mel estavam absortos nas rachaduras do calcanhar dela quando ouvi novamente o portão abrir. Agora já habituado ao meu faro aguçado senti o cheiro da colônia que a mãe dela usava.
— Filhaaa! Filha! — Chamou a mãe anunciando sua entrada.
— Tô aqui no quarto mãe. Acabei de chegar.
— Eu trouxe um negocinho aqui pra você almoçar.
— Huuumm… o que é?
— Churrasco que teve ontem na casa do seu irmão. Ele perguntou porque o barão não foi junto com você.
— Ouh mãe, não chama ele de barão. — Barão era o gato obeso da minha sogra que pegou leptospirose quando foi mordido por um rato.
— Já tá na hora dele arrumar um bico qualquer filha. Sei lá, vai vender picolé na rua qualquer coisa. Não vê o filho da vizinha que esforçado que o moço é.
— Eu sei mãe mas a senhora sabe que não é assim.
— Que não é o que. Vai pra mais de quatro anos nessa vida minha filha. Você tem que arrumar um homi que te sustente e não você sustentar homi. Quem tem filho barbado e gato. — OUH VELHA DESGRAÇADA! Eu pensei mas da minha boca apenas saiu um rosnado.
— Você ouviu isso? — Disse a mãe levantando da cama onde estava sentada.
— Ouviu o que mãe?
— Parecia um rosnado.
— Não ouvi nada mãe.
— Devo tá ficando louca. — Disse minha sogra sentando novamente na cama — E para de roer essa unha, menina! Olha esses dedos ta na hora de ir na manicure já.
— Pra que pintar a unha se depois vai sair o esmalte mesmo.
— Tem que se cuidar minha filha. Vai que você arruma um bonitão cheio da grana por aí e larga desse fardo.
— Que arrumar outro o que mãe.
— E cadê o homi?
— Não sei, deve ter ido comprar cigarro.
— E nem arrumou a cama o folgado. — Disse minha sogra enquanto eu via seus pés indo em direção ao meu notebook que fez o barulho para colocar a senha. — Ele só fica aí a noite inteira com a cara enfiada nesse computador. Já pensou que ele pode tá te traindo. Passou outro dia na tv que os homens só veem pornografia na internet. — Ah! Essa velha acabando comigo, filha da puta!
— Ele tá escrevendo um livro, mãe.
— Que escrever livro o que filha. Escrever não dá dinheiro. Cadê? Chamei ele pra carpir o quintal lá em casa, falei que ia até pagar e até hoje tá lá o mato.
— Ah mãe… eu estou cansada também mas fazer o que?
— Humpf… escrever… coisa de vagabundo isso sim é o que ele é.
— Mãe, para! — Eu não consegui mais segurar meu ódio por aquela velha linguaruda e dei um mordidão naquele calcanhar enrugado.
— AAAAHHH!! — A velha deu um pulo e gritou com o susto! — Meu deus do céu! Dá onde saiu esse bicho??
— Sei lá! Ele deve ter deixado a porta aberta quando saiu. — Eu entrei debaixo da cama novamente enquanto minha mulher foi correndo até a cozinha e pegar a vassoura pra me espantar.
— Sai daí cachorro! Sai! — Ela dizia enquanto dava vassouradas às cegas por baixo da cama! — Eu saí correndo pela cozinha e depois atravessei o portão aberto.
— É um inútil mesmo esse teu marido hein! Nem pra fechar a porta quando sai. Já pensou fosse um ladrão?
— O bicho já foi mãe. E eu vou almoçar agora, tô com fome.
Na rua eu não sabia para onde ir ou o que fazer. Andei como um barco embriagado ao mar desviando dos carros que buzinavam pra lá e pra cá.
Por mim passou uma matilha de cachorros atrás de uma cadela. Ela parou logo em mim me cheirando enquanto os outros cães todos vinham com seus dentes de fora para me atacar. Corri como louco daquele bando e fui parar na linha do trem.
Acho que agora eu sabia para onde ir. Era o fim pra mim. Querem saber? Vou ficar deitadinho aqui e esperar o próximo trem me levar para o céu dos cachorros. Deitei na linha e fechei meus olhos tristes quando ouvi o barulho do trem vindo. Se aproximando cada vez mais. O som cada vez mais alto e perto, perto, perto…
Senti apenas o vento passando ao meu lado durante alguns segundos eternos. Quando abri os olhos percebi que estava bem na área onde o trem troca de rota. Olhei para o céu azul. No mato ao lado da linha algumas flores balançavam ao vento. Uma abelha levava e trazia pólen de uma flor à outra, ziguezagueando livremente pelo ar. Senti o vento no meu focinho e pela primeira vez em muito tempo eu vi alguma cor.
Meu coraçãozinho de cão batia freneticamente e na minha frente duas linhas férreas apontavam cada uma para um horizonte. Agora sem nada a perder nem a ganhar me senti vivo como jamais me senti um dia. Sai correndo livre entre as duas linhas sem escolher caminho algum para só deus sabe onde.
link no medium
submitted by jwachowski to rapidinhapoetica [link] [comments]


2019.07.22 11:04 jwachowski abelhas no jardim

Certa manhã acordei de sonhos intranquilos. Eu estava sozinho na cama de casal como sempre. Minha companheira foi trabalhar cedo e só voltaria na hora do almoço. Acordei todo encolhido no formato de um bolo de fubá. Meu nariz estava no rabo. Isso mesmo, no rabo. Eu tinha me transformado num cachorro.
De primeira vista não estranhei meus olhos vendo o ambiente todo em preto e branco pois há muito tempo as coisas já tinham perdido o brilho para mim. Apenas me dei conta que virei um quadrúpede quando fui descer da cama e senti minhas quatro patas tocando o chão gelado.
Tentei gritar ao ver a visão das minhas unhas pretas mas apenas saiu uns latidos estranhos iguais aos cachorros tomando banho nos vídeos da internet. Meu deus! O que eu faria agora? Minha mulher não podia me ver daquele jeito. Se eu pelo menos tivesse me transformado em um cachorro de raça. Sei lá, um labrador, um husky siberiano ou um pastor alemão mas não. Me transformei num vira lata daqueles cor de caramelo com olhar de pedinte que fica assistindo frango rodando na máquina.
Olhei o relógio da parede, eram quase uma da tarde e minha mulher iria chegar a qualquer momento. A ansiedade me deu uma coceira incrível atrás da orelha. Cocei, cocei e cocei com força e depois sem saber porque lambi minha pata. Nessa coça coça infernal ouvi de longe o portão abrir. Comecei a rodar em volta do meu próprio rabo sem saber o que fazer. Quando ouvi os passos da minha mulher pela cozinha acabei me enfiando embaixo da cama. Ela entrou no quarto e sentou na cama. Senti o colchão descer sobre minha cabeça. Ela tirou os tênis e colocou na sapateira junto com os outros calçados.
Meu nariz agora ultrassensível sentia o cheiro do meu próprio perfume. Ah, como eu odiava que ela usasse meus perfumes e desodorantes. No tempo das vacas gordas pra mim, eu vivia comprando perfumes para ela. Nessa época eu até usava um sabonete diferente do dela para manter a individualidade e manter a chama do relacionamento acessa. Eu nunca soube se ela se esqueceu ou nunca soube que abelhas não polinizam um jardim seco. Meus olhos cor de mel estavam absortos nas rachaduras do calcanhar dela quando ouvi novamente o portão abrir. Agora já habituado ao meu faro aguçado senti o cheiro da colônia que a mãe dela usava.
— Filhaaa! Filha! — Chamou a mãe anunciando sua entrada.
— Tô aqui no quarto mãe. Acabei de chegar.
— Eu trouxe um negocinho aqui pra você almoçar.
— Huuumm… o que é?
— Churrasco que teve ontem na casa do seu irmão. Ele perguntou porque o barão não foi junto com você.
— Ouh mãe, não chama ele de barão. — Barão era o gato obeso da minha sogra que pegou leptospirose quando foi mordido por um rato.
— Já tá na hora dele arrumar um bico qualquer filha. Sei lá, vai vender picolé na rua qualquer coisa. Não vê o filho da vizinha que esforçado que o moço é.
— Eu sei mãe mas a senhora sabe que não é assim.
— Que não é o que. Vai pra mais de quatro anos nessa vida minha filha. Você tem que arrumar um homi que te sustente e não você sustentar homi. Quem tem filho barbado e gato. — OUH VELHA DESGRAÇADA! Eu pensei mas da minha boca apenas saiu um rosnado.
— Você ouviu isso? — Disse a mãe levantando da cama onde estava sentada.
— Ouviu o que mãe?
— Parecia um rosnado.
— Não ouvi nada mãe.
— Devo tá ficando louca. — Disse minha sogra sentando novamente na cama — E para de roer essa unha, menina! Olha esses dedos ta na hora de ir na manicure já.
— Pra que pintar a unha se depois vai sair o esmalte mesmo.
— Tem que se cuidar minha filha. Vai que você arruma um bonitão cheio da grana por aí e larga desse fardo.
— Que arrumar outro o que mãe.
— E cadê o homi?
— Não sei, deve ter ido comprar cigarro.
— E nem arrumou a cama o folgado. — Disse minha sogra enquanto eu via seus pés indo em direção ao meu notebook que fez o barulho para colocar a senha. — Ele só fica aí a noite inteira com a cara enfiada nesse computador. Já pensou que ele pode tá te traindo. Passou outro dia na tv que os homens só veem pornografia na internet. — Ah! Essa velha acabando comigo, filha da puta!
— Ele tá escrevendo um livro, mãe.
— Que escrever livro o que filha. Escrever não dá dinheiro. Cadê? Chamei ele pra carpir o quintal lá em casa, falei que ia até pagar e até hoje tá lá o mato.
— Ah mãe… eu estou cansada também mas fazer o que?
— Humpf… escrever… coisa de vagabundo isso sim é o que ele é.
— Mãe, para! — Eu não consegui mais segurar meu ódio por aquela velha linguaruda e dei um mordidão naquele calcanhar enrugado.
— AAAAHHH!! — A velha deu um pulo e gritou com o susto! — Meu deus do céu! Dá onde saiu esse bicho??
— Sei lá! Ele deve ter deixado a porta aberta quando saiu. — Eu entrei debaixo da cama novamente enquanto minha mulher foi correndo até a cozinha e pegar a vassoura pra me espantar.
— Sai daí cachorro! Sai! — Ela dizia enquanto dava vassouradas às cegas por baixo da cama! — Eu saí correndo pela cozinha e depois atravessei o portão aberto.
— É um inútil mesmo esse teu marido hein! Nem pra fechar a porta quando sai. Já pensou fosse um ladrão?
— O bicho já foi mãe. E eu vou almoçar agora, tô com fome.
Na rua eu não sabia para onde ir ou o que fazer. Andei como um barco embriagado ao mar desviando dos carros que buzinavam pra lá e pra cá.
Por mim passou uma matilha de cachorros atrás de uma cadela. Ela parou logo em mim me cheirando enquanto os outros cães todos vinham com seus dentes de fora para me atacar. Corri como louco daquele bando e fui parar na linha do trem.
Acho que agora eu sabia para onde ir. Era o fim pra mim. Querem saber? Vou ficar deitadinho aqui e esperar o próximo trem me levar para o céu dos cachorros. Deitei na linha e fechei meus olhos tristes quando ouvi o barulho do trem vindo. Se aproximando cada vez mais. O som cada vez mais alto e perto, perto, perto…
Senti apenas o vento passando ao meu lado durante alguns segundos eternos. Quando abri os olhos percebi que estava bem na área onde o trem troca de rota. Olhei para o céu azul. No mato ao lado da linha algumas flores balançavam ao vento. Uma abelha levava e trazia pólen de uma flor à outra, ziguezagueando livremente pelo ar. Senti o vento no meu focinho e pela primeira vez em muito tempo eu vi alguma cor.
Meu coraçãozinho de cão batia freneticamente e na minha frente duas linhas férreas apontavam cada uma para um horizonte. Agora sem nada a perder nem a ganhar me senti vivo como jamais me senti um dia. Sai correndo livre entre as duas linhas sem escolher caminho algum para só deus sabe onde.
link no medium
submitted by jwachowski to EscritoresBrasil [link] [comments]


2017.09.11 12:34 gilsonvilain Dorocaso — Corações de Areia

Dorocaso Corações de Areia
“Essas alegrias serão jogadas ao esmo. A areia vai consumir suas lembranças até a última gota, e quando não sobrar mais nada você vai virar areia.” Jochasta, rainha dos esquecidos.
De pé ele olhava para as nuvens no céu sem sentir seus pés. Caminhando eternamente sem destino, elas vagavam escuras e carregadas como ele nunca havia imaginado. O solo é engolido pelo breu e os escorpiões alaranjados saem da areia. Cavando e cavando, centenas de lacraus submergem do da escuridão, brilhando e batendo suas garras como soldados marchando para o combate. O medo lhe puxa pela espinha, mas suas mãos estão vazias. Ao longe uma sombra de luz surge na imensidão.
-Davi! A cidade chegou! Davi! Você ainda não acordou? –Disse Franz ao lado da porta. Seus cabelos loiros iluminavam demais para sua vista adormecida. Piscando com força seus olhos, devagar ele se esticava na cama de esponja até sentir suas articulações despertarem. –Hoje não é o seu dia de vender as beterrabas? –Como um soco no peito ele se levantou. O sol já se erguera, e ele ainda estava ali.
-Chuva! –Disse o rapaz se pondo de pé velozmente, apenas para sentir uma tontura e perder parcialmente a visão tendo que se apoiar nas paredes para se manter. Calçando os sapatos escuros e com cheiro engraçado ele se ergueu novamente. Desviando das pequenas lâminas curvadas no chão, ele achou seu caminho até Franz.
-Eu e o Caiou já colocamos as caixas no Sableridge, até que horas você ficou afiando as talons? –Disse o Franz cedendo espaço para que Davi passasse correndo para as escadas. –E não esqueça de comprar um filtro novo para o reservatório!
Subindo as escadas como um lobo atrás de sua presa, Davi vê de relance Seth, Nami e Gilli sentados na mesa da cozinha. –Até as crianças já estão acordadas e eu aqui. –Subindo as escadas enquanto afivelava o cinto marrom, ele se voltou para a janela, olhando ao fundo a grande cidade cinzenta parada no deserto. –Mau dia! –Disse ele pegando a máscara azul presa na parede ao lado do espelho retangular e a colocando em seu rosto. Apertando o fecho e pressionando o único botão em sua lateral, ela se acendeu em um branco fraco. –Ah não!
Olhando a lateral do respirador ele passou o dedo por cima de pontinhos roxos que cercava o gradeado da máscara. Com o polegar pelo lado de dentro ele pressionou o puxador, fazendo as grades se abrirem e liberando a película tomada por centenas de micro pontos que variavam de roxo até rosa fraco. Davi abriu o armário de metal embaixo do espelho deixando que uma brisa gélida saísse. Colocando a película para dentro, fechou a porta e acertou o tempo para quinze segundos. Olhando novamente o espelho ele notou várias manchas de sangue coagulado em seus ombros e braços. Davi deu a volta e foi até a impressora amarelada de sujeira. Pressionando o menu ele selecionou a cor, comprimento da manga e por fim o tamanho, fazendo que a máquina emitisse um som agudo e constante ao passo de que o armário embaixo do espelho soou três apitos seguidos. Retirando a película sem luvas Davi sentiu como se seus dedos fossem derreter, só então sentindo o real frio quando encaixou a lâmina branca de volta na máscara. Vestindo a camisa bege de manga comprida, ele religou o respirador que se acendeu em um branco forte.
Fechando a porta de trás e abrindo a da frente ele foi em direção ao Sableridge. Vários arranhões circundavam o veículo encouraçado, as duas esteiras frontais estavam gastas mas não chegavam ao nível de desgaste dos pneus traseiros. Estes foram remendados tantas vezes que Davi já não sabia se eram feitos de borracha ou de remendo. A lataria perfurada era estrategicamente escondida pela sujeira e a lama viscosa das estradas. –As chaves! –Pensou ele batendo as mãos nos bolsos, só para perceber que não portava nenhuma. –As chaves! Gritou ele em direção a toca.
-Já estão dentro! - Disse Caiou do segundo andar. Davi Se aproximou do painel e ouviu o som de motor. Ele se voltou para Caiou e assentiu com a cabeça.
Poucas estradas cruzam em direção ao grande deserto. A pista de fogo sai da capital até o batalhão especial no sul, circulando o continente e passando por todas as grandes vilas. Usando areia vermelha para montar seus tijolos, a pista de fogo era o jeito mais fácil e seguro para aqueles que não possuíam problemas com o Armata. Ao seu lado muitas trilhas foram feitas ligando pequenas vilas até a pista de fogo, como galhos em um tronco. A estrada de pedra sai das grandes montanhas e se conecta com as estradas de terra, geralmente usadas por contrabandistas ou fugitivos, uma vez que não haviam patrulhas. Davi saiu da toca e seguiu em frente pegando a estrada de barro, o caminho que ele mesmo batizara, ligando a toca até a vila das palmeiras a oeste. Com uma agricultura rudimentar, a vila das palmeiras resistia apenas pela criação de roedores. Fáceis de alimentar eles eram a moeda de troca de algumas dezenas de famílias. De lá ele pegou a estrada de ferro, cruzando a floresta das almas até o grande deserto ao norte. Dali ele já conseguia ver as marcas de pneus na areia, sinal de que estava atrasado. Acelerando ele sentiu o veículo trepidar e perder força, mantendo o acelerador pressionado enquanto reduzia a marcha. Ainda assim a força havia indo embora, e ele seguiu até a pista de fogo na velocidade de um homem correndo. Devagar ele viu rasgando o deserto azul e branco. Mais de mil passos de largura, e outros oito mil de comprimento, com esteiras maiores que a vila das palmeiras, e com pistões mais fortes que dez mil homens, marchando para cima e para baixo, em um compassar estrondoso. Maciça e barulhenta, ela cavava com seus pistões exteriores descendo e subindo como um ferreiro batendo seu martelo, se enterrando mais fundo naquela areia sem dono, ela descansava enquanto ele se apressava. Apertando o pé contra o pedal e tentando aumentar as rotações, ele notou um grupo de pessoas segurando placas. Davi não conseguiu ler o que estava escrito, as manchas azuladas em suas peles tiraram sua atenção. Engatinhando pela estrada de fogo, ele rumou ao sul do titã encouraçado, seguindo outros veículos que jaziam estacionados ali.
Davi estacionou o sableridge ao lado de uma motocicleta de propulsão amarela. Algumas dezenas de veículos estavam ali, ainda assim Davi se surpreendeu com a baixa quantidade. Em temperaturas amenas, aquele pátio sempre estivera lotado de lanchas terrestres e caminhões. No porta-malas ele retirou as quatro caixas cheias de beterrabas, cada uma pesando metade de seu peso. Suas veias saltaram por entre a pele, e com um urro de vontade ele as ergueu caminhando lentamente até a entrada norte.
-Vento! Eu preciso ir até o templo das Lamentações! –Disse uma voz vinda de trás de Davi. Ele girou sua cabeça para procura-la mas no instante seguinte ela havia sumido. –Você tem um carro, pode me levar lá? –Disse a voz. Davi abaixou as caixas e conseguiu ver a moça a sua frente. Bem menor do que ele suspeitava, ela se erguia pouco a cima das quatro caixas deixadas no chão. Olhos cinzentos e lábios fartos, ele não conseguiu distinguir mais nenhuma caraterística dela, além de sua barriga proeminente e arredondada.
-Eu estou indo vender beterrabas na vila. –Disse ele olhando seus braços finos e curtos. –Esse templo fica no norte, não acho que tenha alguém de lá por aqui. –Disse ele se abaixando para pegar as caixas.
-Você não entende, eu preciso ir lá! –Disse ela erguendo a voz e riscando a areia com seu pé.
-Eu entendo, mas agora eu não posso fazer nada para te ajudar. –Disse erguendo novamente as caixas e a perdendo de seu campo de visão.
-Você pode depois? –Perguntou ela com um tom mais doce. Davi começou a andar e não olhou mais para trás. –Vou te esperar aqui!
-Não foi isso que eu quis dizer. –Falou ele alto o suficiente para ouvir suas palavras ecoarem pela vastidão seca, mais baixo o suficiente para não ouvir resposta alguma.
Se arrastando para frente, uma moça de cabelos escuros e longos passou por ele, porventura as caixas ainda tapavam sua visão frontal, o impedindo de conseguiu ver seu rosto. Ele gostava da ideia de andar sem ser percebido. Ao seu lado as vozes vindas da cidade se intensificavam, o empurrando para frente. Ouvindo passos na areia, ele inclinou a cabeça para ver um homem baixo com uma barriga proeminente caminhando de mãos dadas com uma menina de cabelos alaranjados. Os escorpiões voltaram a sua cabeça, e ele desejou que Nissa falasse algo que o puxasse de volta, mas ela estava na toca.
-Chuva! Posso ajudar? –Disse o homem com turbante branco, portando uma máscara amarela e uma barba escura e rala. Davi abaixou as caixas e suspirou por um segundo relaxando os ombros. O homem flexionou os olhos e pequenas bolsas de pele surgiram em cima de suas bochechas.
-Chuva! Eu vou vender as beterrabas. –Disse ele esticando a mão em direção ao homem.
-Os vendedores de comida já estão localizados no setor dois, penso que não há mais espaço para estandes. –Disse o homem o olhando de queixo erguido.
-Eu me atrasei. –Disse Davi abaixando o braço e se aproximando. -Mas eu tenho uma reserva. –Disse batendo as mãos nos bolsos. -E eu conheço o prefeito. –Disse Davi gesticulando com suas mãos armadas em veias proeminentes enquanto ele abria os bolsos internos da camisa.
-Certamente que não conhece. –Disse o homem de turbante. –Uma vez que eu não tenho nem ideia de quem é você, e eu sou o prefeito; Alouite Seeiso. –Disse o homem dois palmos menor que Davi, erguendo ainda mais o queixo para cima. Davi desistiu de procurar a licença e coçando a cabeça.
-Eu deixei na outra camisa! –Percebeu ele olhando para o céu. -Na verdade o prefeito que eu conheço se chama Timothy, ele tem cabelos escuros, é magro e... –Disse Davi gesticulando as medidas com as mãos. –Alto.
-Ah. –Disse Alouite. –Esse é o segundo prefeito. –Disse abaixando a cabeça e apertando os dentes. –De qualquer modo eu sou o prefeito para os assuntos externos da vilavassoura. Eu cuido de quem entra e quem sai.
-Eu sei. –Disse Davi sorrindo por debaixo da máscara. –O Thimoty cuida da manutenção da vila, proteção das pessoas, educação dos jovens, tratamento dos enfermos, conserto das máquinas, contrata os seguranças. –Enumerou Davi olhando para as beterrabas ardendo no sol do deserto. –E o senhor cuida de quem entra e sai. –Disse Davi se mordendo para não o chamar de porteiro.
-Thimoty tem suas funções, eu tenho as minhas. –Disse ele se virando de costas. -E o período para alocação de novos estantes já se encerrou.
-Eu também preciso comprar um filtro. Já acabou o período de entrada de compradores também?
-Hum. –Disse o prefeito de turbante declinando o queixo e encarando os tubérculos. –Você entra, as beterrabas não.
-Tudo bem, quando eu encontrar um vendedor de filtros, eu peço para ele vir até aqui fora retirar o pagamento, o senhor toma conta delas para mim? –Perguntou ele levantando uma caixa e colocando aos pés do prefeito. O homem bufou mais forte e se voltou para recolocar a caixa em cima das outras. Buscando todas as forças de seus braços flácidos, o prefeito ergueu a caixa poucos centímetros do chão, soltando suas alças e voltando a ficar ereto.
-Leve isso daqui. –Disse Alouite ofegante.
-Obrigado senhor prefeito! –Disse Davi erguendo as quatro caixas e seguindo em frente para a o portão de acesso.
-Bem-vindo a vilavassoura. –Disse ele em um tom seco. –Espero vê-lo novamente. –Apertando os olhos e ajeitando o turbante.
O chão de areia afundava a cada passo de Davi. Jogando areia para trás, ele sentia que a cada passo andava menos. Pisando em falso sentiu a areia dar lugar a tábuas de metal. Forçando os joelhos ele subiu a entrada que se elevava pelo menos oito passos do nível do chão. A grande fachada esculpida em madeira e aço, dizia “Village de Balai Cinq”, vilavassoura em uma língua antiga. A gigante de aço possuía metralhadora automáticas acopladas a parte de dentro apontadas para o chão. Aportando e um lugar diferente a cada dois dias, a bordo ela levava mais pessoas que ele conheceria sua vida inteira. Mais cores de cabelo do que tons de céu, mais vozes do que mil autofalantes. O cheiro das comidas, mesmo passando pelo respirador, já encharcava Davi por dentro. Olhando para o arco de entrada, ele viu seis guardas carregando fuzis e ao seu lado um grupo de pessoas rodeando um grande homem de cabelos longos e encaracolados. Davi abaixou as caixas para conseguir olhar por cima, fazendo seus músculos guincharem por dentro, mas seguindo em direção as pessoas.
-Eles andam em caravanas. Centenas de milhares. Caminham até as vilas, e lá destroem tudo. Nada fica para trás, nem os habitantes, é terrível! –Disse a senhora de cabelos curtos usando uma camisa de flores brancas, combinando com sua máscara.
-Devem ter sido mandados pelos homens de sabão. Eles estão há décadas se alastrando pelo litoral. –Disse o senhor de máscara lilás com um guarda-chuva em mãos.
-Não são os homens de sabão, quando paramos na vila da pedra, um soldado me disse que eles comem as pessoas e usam os ossos como adereços, isso é coisa do povo vermelho! –Disse o senhor careca usando um roupão verde.
-Estamos seguros aqui. –Disse o homem no centro, rodando os dedos por entre os fios de cabelo que caiam por seus ombros. –Além disso, todos os relatos são de vilas no Norte. Não há nenhum indício que ela esteja marchando para cá.
-O bosque vermelho foi dizimado. A fumaça chegou até a capital. Quando a Armata foi para o socorro, só haviam cinzas. –Disse a senhora. O homem alto inclinou a cabeça atento a suas palavras quando no meio da multidão, algo pescou sua atenção.
-Com licença. –Disse o homem alto esticando o braço. –Davi?
Davi o olhou e sorriu, ganhando espaço em meio ao aglomerado, colocou as caixas no chão esticou a mão e apertando o antebraço do senhor.
-Chuva Prefeito! –Disse ele chacoalhando o braço e sentindo os dedos finos e longos se apertarem em sua pele.
-Veio vender amoras? –Perguntou o homem de pele clara e lábios roxos e esticados.
-Pretendia. –Respondeu Davi apertando os olhos e observando as beterrabas por um instante até retornar os olhos para o prefeito. Ao seu lado havia uma grande porta dupla de vidro que guardava o estreito corredor em frente, lotado de pessoas andando por entre as lojas. O prefeito girou sua cabeça na mesma direção e coçou o nariz pontiagudo.
-Vamos ver onde eu consigo colocar você. –Disse Timothy dando um tapa em seu ombro. Davi pegou as caixas nos braços e o seguiu enquanto ele entrava na antessala do tumulto. As vozes se mesclavam a multidão atrás do vidro, podia se ouvir tudo, mas nada se entendia.
-Não vi você aqui mês passado. –Disse o prefeito erguendo os braços enquanto a primeira porta de vidro se fechava. No mesmo instante um jato de fumaça quente e clara saiu do chão e inundou toda a parte enquanto o prefeito retirava o respirador. Alguns segundos depois a fumaça se esvaiu pelo teto e a segunda porta se abriu dando acesso ao corredor.
-Mês passado. –Repetiu Davi erguendo as caixas de madeira. –Deu um vazamento lá em casa, tive que desligar todas as saídas de ar, perdemos boa parte da colheita.
-Sinto muito. Suas batatas são ótimas, as cenouras nem tanto. –Disse ele espiando as beterrabas por entre as frestas da caixa. –Você teve mais alguma notícia do Colm? – Davi balançou a cabeça. A mão do prefeito veio ao seu ombro mais uma vez enquanto ele sorria olhando para o chão. -Já pode tirar o respirador. –Disse o prefeito olhando Davi. Cerrando os olhos ele abriu a boca por um suspiro e a fechou. –Eu esqueci, o Colm me contou, mas eu esqueci, desculpa. –Disse ele enquanto Davi erguia o ombro e coçava a cabeça.
Adentrando a multidão de pessoas andando por entre as lojas, o prefeito achava brechas entre os cotovelos e ombros para Davi passar sorrateiramente, avançando entre bolsas e mochilas, sua altura lhe forneci uma visão privilegiado do pátio interno. Alguns passos para frente e uma voz chamou “prefeito! ”. Thimoty se virou e viu um sujeito de pele escura com olhos vermelhos. Com os dedos o prefeito gesticulou pequenos círculos, voltando sua cabeça para frente e seguindo até a segunda parte sem se virar para trás.
-Aqui estamos! –Disse o prefeito olhando o círculo de vendedores sentados em frente a caixas de legumes. –Você vende amoras, amoras são como alfaces não? –Perguntou ele, jogando um cacho de cabelos para trás enquanto olhava para as alfaces.
-Os dois são plantas, mas acho que beterrabas entram mais na sessão de raízes. –Respondeu Davi.
-Hahahahaha raízes! Mas não vendemos árvores aqui, e o único estande que tem espaço é o da alface. –Disse ele apontando para as folhas verdes e crespas. Davi virou a cabeça, mas não disse nada, apenas sorrindo para o prefeito e colocando as caixas no chão. –Chuva minha menina! Qual seria o seu nome? –Perguntou ele piscando para a jovem de cabelos escuros sentada atrás das caixas da alface.
-Naya. –Disse ela entortando a boca e olhando Davi de baixo para cima. –Naya Avilis, senhor. – Seus cabelos se agrupavam em cachos pequenos e longos. O delicado nariz arrebitado apontava para Davi enquanto ela falava com o prefeito. Davi apertou os punhos para tentar sair do seu encanto, mas já tinha certeza que estava encarando a jovem a tempo de mais.
-Este menino tem problema. –Disse o prefeito em direção a Davi, que mesmo assim não tirou os olhos de Naya. –Ou teve um problema. Ele pode dividir o espaço com você hoje? –Perguntou se abaixando e analisando de perto as hortaliças.
A jovem olhou sem expressão para Davi, que corou em menos de um suspiro. Ela ergueu o braço e puxou ar para argumentar, mas virou a mão e o olhou de lado.
-Achei um lugar para você! –Disse o prefeito voltando a ficar de pé. –Vocês se acertam então, eu vou ali procurar algum nabo. –Disse ele sorrindo e andando em direção aos tomates.
-Com licença. –Disse Davi colocando as caixas roxas ao lado das verdes. –Eu me chamo Davi. –Disse ele esticando o a mão em frente. A jovem sorriu e apertou seu antebraço.
-Naya. –Repetiu ela cedendo espaço para que ele dividisse a caixa ao seu lado. –Você por acaso não tem nenhum anel de vilírdia, tem? –Perguntou ela observando um roxo no pescoço de Davi. Ele balançou a cabeça tapando o machucado com a mão direita. –Imaginei que não. –Disse ela erguendo a sobrancelha ao olhar o respirador branco. –Você já foi lá? –Perguntou ela enquanto Davi levantava as sobrancelhas e fazia um beiço com os lábios. –Eu nasci lá. Em Viliris. Você é daqui?
-Eu nasci no Norte. –Mentiu ele. -Uma vila comerciante. –Disse engolindo em seco e levando os olhos até o rosto dela. –Onde fica Vilirdis?
-Viliris. Você nunca ouviu falar? –Perguntou ela abaixando as sobrancelhas e erguendo as bochechas. –Eu saí de lá ainda muito pequena, mas ela fica no extremo leste, entre mares. –Disse ela erguendo a mão e gesticulando uma onda. –No encontro de três continentes, uma linha traçada nos oceanos, delimita a vida e a morte poente, a água dá início e fim aos planos, construindo a ferro e fogo; o tridente, E costurada através dos séculos; mil anos, surge no mar da primeira e última corrente, Viliris, a cidade com sangue dos tiranos, viva para sempre, Viliris, a cidade descontente. –Cantou ela abaixando a mão ao final.
Davi a olhou boquiaberto. Nunca ouviu da cidade, mas as palavras deixavam sua boca com pétalas se soltam de flores no outono. Sua pele lisa acendia entre o cinza das paredes. Seus olhos escuros puxavam sua alma para dentro, e ele já não tinha forças para segura-la. Suspirou fundo e balançou a cabeça.
-Ela fica... no mar? –Perguntou ele encarando as alfaces.
-No Nemo. –Disse ela tirando o cabelo da frente dos olhos. –O ponto mais distante da terra entre os três continentes. –Disse abrindo um tímido sorriso. –Um dia eu vou voltar para lá.
-Quanto pelas batatas rosas? –Perguntou o homem alto de cabelos castanhos curtos que se aproximara usando uma capa marrom e um colete escuro, com braçadeiras pretas que vinham até os pulsos, e duas grandes cicatrizes no pescoço.
-São beterrabas. –Disse Davi se levantando e pegando uma da caixa.
-Batatas, baterrabas, tudo a mesma coisa. –Disse o homem estreitando os olhos. Passando a mão por dentro do colete, ele retira uma corrente avermelhada e a entrega para Davi. –Doze batatas rosas? –Perguntou ele. Davi olhou para a corrente e esticou a mão para pegá-la. Passando os dedos entre os elos e olhou de volta para o homem.
-Oito. –Disse Davi. O homem passou a mão em outro bolso e retirou um pequeno brinco prateado e o colocou na mão de Naya.
-Doze. –Disse ele rangendo os dentes enquanto ela olhava para a joia. Davi se voltou para Naya que segurava o brinco em frente aos seus olhos.
-Doze. –Repetiu Davi assentindo com a cabeça. O homem retirou a mochila das costas e começou a escolher as beterrabas. Naya entregou o brinco a Davi que o segurou com as pontas dos dedos. O brinco imitava o formato de uma orelha, adornado de pequenas pedras azuis, ele formava uma ponta no topo. Voltando-se para o homem, Davi já não o encontrava a multidão de pessoas andando entre as vendas.
-Bonito esse brinco. –Disse Naya passando o dedo por sua ponta.
-Você quer? –Perguntou ele corado.
-Ele é seu. –Disse ela se afastando.
-Eu não uso brinco, ele iria ficar bonito em você. –Disse ele esticando a mão em sua direção. Ela o apanhou e colocou na orelha esquerda.
-Como ficou? –Perguntou ela.
-Sen... –Disse ele buscando ar nos seus pulmões. –Sensacional. –Completou sorrindo.
-Mas eu não te conheço, não posso aceitar um presente assim. –Disse ela desatarraxando o pingente.
-Não, é um presente. –Disse Davi esticando seu braço em direção as hortaliças e pegando uma folha verde e molhada. –É uma troca. –Disse ele mordendo a alface com força e empurrando o resto da folha para dentro da boca. Naya riu e colocou o brinco de volta.
Antes do sol chegar no topo, todas as beterrabas já haviam sido trocadas, ao passo que mais da metade das alfaces esperavam paciente nas caixas de madeira. Davi já havia aprendido sobre o período de Naya em Viliris, sobre o Vento, o barco de seu pai que havia cruzado todos os mares baixos da costa entregando tâmaras do oceano. Dos monstros antigos que ameaçavam os cargueiros a cruzar os estreitos de pedra. Do tempo em que Naya morou nas minas de marfim com sua tia, das aventuras nas montanhas azuis, de sua vinda até a vilavassoura. Davi podia ficar ali o ano inteiro a ouvindo falar.
-Eu moro em uma “casa” na floresta. –Disse Davi apoiado na borda da vila vassoura apontando para o horizonte. –Você continua por aquele caminho até a vila das palmeiras e vira para a estrada de barro.
-Eu preciso ficar aqui a tarde, você não volta amanhã? –Perguntou Naya olhando as árvores dobradas. Davi balançou a cabeça olhando para baixo. –Meu pai é dono de uma empresa de mineração perto daquela montanha ao sul. Talvez eu volte para visita-lo um dia. Se você me convidar para conhecer a sua casa, talvez eu aceite o sofrimento de passar um tempo com ele.
-Ele é mau com você? –Perguntou Davi se voltando para ela. Na parte de fora do mercado, os dois se escoravam na lateral da cidade de aço. Naya usava um respirador vermelho com azul. Davi pensou em sugar todo o ar do mundo só para poder ver seus lábios mais uma vez.
-Ele é ausente. –Disse ela olhando para a amontanha verde. –Desde que ele deixou o barco e criou raízes na terra, ele não tem tempo para mais nada.
-Se você quiser ir lá em casa, eu acompanho você até essa fábrica. –Disse ele sorrindo por debaixo da máscara.
-Gostaria de ver você tentar. –Respondeu ela o olhando no fundo de seus olhos. –Você é diferente Davi. –Ele se virou de costas para a borda da cidade se encostou com as costas e cotovelos.
-Diferente bom? –Perguntou ele inclinando a cabeça.
-Diferente, porque você tem tantos roxos pelos braços? –Perguntou ela se voltando para examinar os machucados.
-Ah isso. –Disse ele olhando para um grande hematoma no seu pescoço. –Você me acompanha até a toca, e eu te conto o que você quiser saber sobre mim.
-Hum. –Disse ela torcendo o lábio. –Isso é um encontro? –Perguntou ela erguendo as sobrancelhas.
-Não, isso é só uma conversa. –Respondeu ele observando o brinco em sua orelha esquerda. –Quando eu te ver de novo será um encontro.
-Me diga algo primeiro. –Disse erguendo as sobrancelhas. –Porque você entrou no mercado de máscara? –Os pelos nos braços de Davi se eriçaram e ele baixou os olhos, dando um passo para trás.
-Eu preciso ir. –Disse ele diminuindo em tamanho.
-Desculpa. –Disse ela. –Eu não queria...
-Não há nada por que pedir desculpas. –Disse ele se aproximando das caixas vazias deixadas no chão. –Eu não me importo tanto com isso. –Disse ele desengatando a fivela que prendia a máscara branca. Devagar ele a abaixou segurando a respiração. Engatando novamente suas pontas ele puxou o ar com dificuldade até o respirador se acender em branco. –Mas as pessoas olham muito quando eu fico sem. Por isso prefiro ficar com ela.
-Com quantos anos você saiu de lá? –Perguntou ela deixando que as lágrimas corressem soltas sem se importar.
-Eu não sei. –Disse ele sorrindo com os olhos. –Minha mestra me tirou de lá, eu conto meu aniversário a partir daí.
-Entendo. –Disse ela limpando os caminhos deixados pelas lágrimas em seu rosto. –Então, eu passo a vila das palmeiras e viro à esquerda?
-Esquerda de quem vêm, direita de quem vai. –Disse ele caminhando em direção a saída da vilavassoura.
-Eu vou mesmo hein. –Disse Naya passando os dedos no brinco esquerdo.
-Assim espero. –Disse ele erguendo a mão e a balançando no ar. –Chuva Naya de Viliris!
-Chuva Davi! –Disse ela já distante.
Caminhando até o sableridge com as caixas vazias, tudo o que Davi conseguia fazer era reviver em sua mente as lembranças que recém fizera. Entoando as falas e buscando por detalhes que havia deixado passar. Naya deixou seus olhos, mas não sua mente. O cheiro doce. Desejou poder sentir aquele perfume para o resto da vida, mas tudo o que tinha era ar filtrado.
Caminhando sem pensar, avistou o sableridge, agora com muitos veículos ao redor. Sem pressa ele depositou as caixas no seu porta-malas e deu a volta para ir embora. Entrando ele fechou a porta e esticou a mão para puxar o cinto, olhando para o lado e sentindo seu coração apertar tanto que poderia sair do lugar.
-Agora você me leva? –Perguntou a moça grávida sentada ao seu lado. Davi não gritou, mas sentiu sua alma tremer.
-O que você está fazendo aqui dentro?! –Perguntou ele soltando o cinto a abrindo a porta.
-Você disse que me levaria. –Respondeu ela afivelando o cinto.
-Não! Eu disse que... –Começou ele apontando seu dedo, só então tentando lembrar do que havia dito. As palavras se enrolavam em sua mente, mas ele tinha noventa por cento de certeza de que não havia dito aquilo. Olhando para dentro ele viu os olhos da moça se abaixarem enquanto ela erguia os lábios inferiores para frente. –Eu não vou para lá. Posso te deixar na vila das palmeiras, de lá talvez você consiga alguma carona. A moça concordou com a cabeça, e Davi reentrou no sableridge.
Dirigindo em silêncio para fora da cidade na areia, Davi notou quatro motocicletas estacionadas na entrada da floresta que dava caminho para a estrada de ferro. Olhou para os lados, mas não viu ninguém, decidindo por seguir em frente. Pensou que se tivesse com a Ajna, poderia rever seu rosto depois, mas com a incerteza das vilasvassoura, talvez tudo que restasse fosse aquela memória malformada ainda.
Acelerando em frente o veículo começou a falhar perdendo força. Reduzindo a marcha as esteiras forçavam o carro sem resultado. Duas motos de propulsão surgiram em meio as árvores retorcidas e tomaram a frente do veículo. Davi pisou o acelerador, mas as rotações não aumentavam, permanecendo pouco mais rápido que um homem caminhando.
-Ele não anda mais que isso? –Perguntou a moça olhando para o velocímetro no painel. Davi tirou os olhos do volante e examinou as marcas no chão, só então se voltando para ela.
-Peixe dado não se olha as ovas. –Respondeu pisando fundo no acelerador sem retorno. Ao longe um ronco começou a crescer. Olhando pelo retrovisor ele viu quatro motos se aproximando.
-Talvez eles possam ajudar. –Disse ela olhando com seus olhos cinzas pelo retrovisor.
-Você conhece eles? –Perguntou Davi olhando os quatro homens descerem das motos com armas em mão. Ela balançou a cabeça se apertando para trás. Parando ao lado da porta do carro, um homem a apontou um revólver para Davi. Segurando o volante com mais força e retirando o pé do acelerador, o carro morreu.
-Sai todo mundo! –Disse o homem do lado de fora. Davi olhava fixamente para a moça. Respirando forte ele não sabia como havia sido tão ingênuo. Claramente ela conhecia eles. O velho truque da laranja que prepara o terreno para seus amigos. Seu sangue fervia em suas veias, e ele sentiu vontade de dar um soco naquela barriga falsa. Mas aquela arma era o problema principal, por enquanto
-Calma amigo, a gente só quer o que você ganhou lá dentro. –Dizia outro homem de ombros largos e cabelo curto, usando um respirador azul escuro, ao lado da porta do carona. Suando frio, ele não ousou olhar para o porta-malas, onde todo o seu ganho daquela manhã estava guardado.
Davi respirou fundo e retirou o cinto de segurança, apertando o botão vermelho abaixo do volante antes de ser puxado pela fora pelo homem que se agarrara ao seu pescoço, o jogando no chão. O homem careca se aproximou e começou a dar tapas nas pernas e braços de Davi que tentava se recompor.
-Limpo. –Disse o careca se afastando.
-Se vocês continuarem assaltando os clientes da vilavassoura, eles vão apenas parar de vir aqui. –Disse Davi olhando o homem de máscara azul enquanto outros dois entraram no sableridge revirando os bancos em busca de algo. A grávida estava em pé do lado de fora segurando sua barriga falsa.
-A gente segue ela, problema nenhum, sabe. –Disse ele fixando os olhos escuros em Davi. –Mas pelo visto você já tem um costume de ser assaltado, sabe. –Disse ele olhando para os roxos nos braços de Davi.
-Mais ou menos. –Respondeu ele olhando para trás. Um distante ronco de motor vinha em direção a estrada de fogo. Davi só conseguia pensar em quanto odiava surpresas.
-Tem uma luz piscando aqui dentro. –Avisou o homem de barba grisalha de dentro do carro.
-Você chamou alguém? –Perguntou o homem de azul dando um tapa no rosto de Davi. –Eu queria fazer as coisas sem violência, mas vocês sempre pedem, sabe. –Disse ele puxando a arma de trás das costas e apontando em direção ao barulho.
-Não chamei ninguém. –Disse Davi vendo no horizonte um veículo preto se aproximando, enquanto sentia seu rosto esquentar. Davi estava tão confuso quanto eles, o carro parecia ser de Thimoty. O homem deu-lhe mais um tapa com as costas da mão e Davi caiu de joelhos segurando a máscara. Do chão ele viu o assaltante disparar uma saraivada de balas em direção ao carro, fazendo que ele virasse para o lado e batesse em cheio a uma árvore, levantando uma nuvem de areia.
Thimoty, aquele era o carro do prefeito. Rodas prateadas, capô adornado em madeira. O que ele estaria fazendo ali, se perguntou no chão.
-O que a gente faz Tellius? –Perguntou o homem careca.
-Vá ver quem está lá! –Urrou o homem de azul apertando os dentes. Correndo em direção ao carro preto, um vulto abriu a porta e saiu mancando escorando-se nas árvores.
-Quem vem lá? –Perguntou o homem careca apontando seu revólver. Uma voz doce veio em resposta, atiçando os nervos de Davi ao máximo.
-Naya. –Disse ela erguendo as mãos enquanto o homem se aproximava.
Davi olhou para cima ignorando a conversa entre os dois. Procurando no céu, ele ainda não havia encontrado nada.
-Não vai chover hoje não garoto. –Disse o homem de azul rindo em pé a sua frente. –Tragam a menina, tenho um amigo que pagaria bastante por ela, já essa grávida aí...
-Não é chuva que eu espero. –Disse ele vendo um risco no céu.
O homem abaixou o rosto para olhar novamente para Davi, sendo surpreendido por uma cabeçada em seu estômago. Davi se levantou e subiu em cima do carro gritando “Aqui, aqui! ”. O risco no céu voava rápido e ao se aproximar largou uma grande caixa de metal em cima do veículo, balançando sua estrutura e levantando uma grande nuvem de poeira e detritos.
-Maldito! –Disse o homem de azul no chão com uma mão na barriga e a outra tapando os olhos contra a poeira. –Eu vou te picar inteiro e te jogar para os peixes, sabe! – Ao seu lado a grávida corria para dentro da floresta em direção a vila das palmeiras.
Davi pulou em cima da caixa e ela jogou uma forte luz esverdeada que o varreu por completo em menos de um piscar de olhos. A caixa abriu as laterais, saindo lâminas longas que se encaixaram nos pés de Davi, subindo o tornozelo, joelhos até se prender completamente nas duas pernas. As lâminas se prendiam desordenadamente, se arrastando entre si até encontrarem o seu encaixe. Davi pulou para frente a caixa se ergueu em seu próprio eixo, encaixando uma camada de lâminas nas suas costas, correndo o metal até os seus braços, cobrindo cada parte do seu torso. Ele se virou para trás ouvindo um tiro, rapidamente pegando o elmo prateado com um círculo azul claro no meio. Ajeitando em sua cabeça, ele se voltou para olhar os homens ainda confusos pela nuvem de poeira.
Investindo em frente, Davi passou as lâminas das mãos pelas costas do braço do homem de azul, fazendo seis pequenas e rápidas incisões em seu braço direito, enquanto contornava por trás, golpeando as pernas do homem sem reação. A lâmina fina penetrava a carne como um graveto penetra a areia. Entrando e saindo, ele costurava uma trilha de pequenos furos que passavam a pele e se enterravam até ele sentir um desengate interno. Indo para dentro do carro, Davi golpeou os dois invasores dezenas de vezes em pontos entre as costas e a barriga, sem derramar uma única gota de sangue. Com a poeira baixando ele conseguiu ver ao longe o homem careca apontando a arma para Naya, tremendo como um galho fino em frente ao furacão. Jogando a arma no chão, ele correu para trás, em direção ao grande deserto.
-Meus braços, o que você fez com os meus braços?! –Perguntou o homem no chão. Davi se aproximou emitindo um som de lâminas de metal se arrastando umas nas outras. Davi já estava cansado, e aquela armadura facilmente pesava o dobro das caixas de beterraba.
-Meu juramento me proíbe de matar qualquer um que não esteja no mesmo nível. Eu só cortei todos os tendões dos seus braços, você não vai mais usa-los. –Disse Davi retirando o elmo. –Mas o juramento não fala nada sobre abandonar moribundos. –Disse Davi passando a lâmina da mão esquerda por entre a tira que prendia a máscara azul do sujeito. Pegando-a com a mão Davi a colocou em cima da mão imóvel do homem no chão. –Sua máscara está aqui, é só a colocar de novo. Mas prenda a respiração, o ar daqui não faz muito bem, sabe?
-Desgraçado. –Disse o homem selando os lábios e amaldiçoando Davi com os olhos.
Se atentando aos sons, ele sentiu uma fisgada lhe puxar a direita, recolocando o elmo. “Nissa? ” Perguntou ele sem voz. “Três ameaças neutralizadas. Um suspeito está correndo em direção ao grande deserto a 2,759 metros por segundo. ” Ele sorriu ao ouvir a voz dela em sua mente. “Como elas estão? ” Perguntou ele se virando para olhar Naya. “Uma sofreu arranhões e uma provável contusão no lobo parental. A outra sofreu um tiro no tornozelo, está perdendo sangue. ” Davi girou seu corpo para olhar a grávida no chão se arrastando, esticando no chão uma linha vermelha que a separava de seu pé direito.
-Você é um... –Disse Naya se aproximando mancando com um filtro em mãos. Davi se voltou para ela e retirou novamente o elmo, pressionando o círculo azul claro em seu centro. A armadura de lâminas se soltou e caiu no chão desmontada. -Você é um alado!
submitted by gilsonvilain to EscritoresBrasil [link] [comments]


DESVIANDO O OLHAR DE NIBIRU: A NOVA ESTRELA AZUL NO CÉU Os 6 Mais IMPORTANTES Sinais Para Descobrir Se Ela TÁ TE QUERENDO MENINO DEIXA MENINA NO VACO. SINAIS QUE INDICAM QUE ELE ESTÁ MENTINDO DUVIDO ENCARAR ELA SEM DESVIAR O OLHAR  NÍVEL HARD - YouTube (MÚSICA) - Luan Novitt - Menina que sorri com o olhar ...

3 Formas de Seduzir Alguém Usando Apenas Seus Olhos

  1. DESVIANDO O OLHAR DE NIBIRU: A NOVA ESTRELA AZUL NO CÉU
  2. Os 6 Mais IMPORTANTES Sinais Para Descobrir Se Ela TÁ TE QUERENDO
  3. MENINO DEIXA MENINA NO VACO.
  4. SINAIS QUE INDICAM QUE ELE ESTÁ MENTINDO
  5. DUVIDO ENCARAR ELA SEM DESVIAR O OLHAR NÍVEL HARD - YouTube
  6. (MÚSICA) - Luan Novitt - Menina que sorri com o olhar ...

Artista: Luan Novitt Produção: Brancoala Facebook Brancoala: https://www.facebook.com/brancoala/?ref=ts&fref=ts Canal do Brancoala: https://www.youtube.com/u... desviar o olhar de maneira rÁpida Vocês estão conversando um assunto sério e ele não consegue manter o olhar com o seu? Fica a todo instante desviando o olhar? 🌹CLIQUE ABAIXO E SEJA UM SEDUTOR NATO: https://sedutornato.com.br/livro-yt DUVIDO ENCARAR ELA SEM DESVIAR O OLHAR NÍVEL HARD 🎮 Lista de Espera do Melhor Cu... Mas o feito que poderia agradar o setor de exploração espacial provocou a ira de astrônomos. Em vez de satélites, o Electron — veículo de lançamento de baixo custo — carregava uma obra ... Menina pede menino em namoro 🙊,olha no que deu!! - Duration: 9:56. Camile Vivi 1,032,888 views. 9:56. Menino Humilha o Outro Sem Deixar a Bike Cair - Turn Down For What - Duration: 1:08. Se ela está sempre olhando desviando o olhar e mexendo no celular o tempo todo então é um sinal que ela pode estar tentando evitar uma conversa com você. Segundo Sinal : Ela sorri com os olhos